Mudanças para o Fies 2019

Atenção alunos: a chamada única para candidatos pré-selecionados na modalidade fies começou no dia 26 de fevereiro e vai até o dia 07 de março 2019. A lista de espera vai do dia 27 de fevereiro até o dia 10 de março. Para saber mais informações, acesse o portal.

De acordo com o site do Fies, as vagas são selecionadas com critérios técnicos, do artigo 7 da Portaria Normativa nº 13, do Diário Oficial da União. Para conseguir o financiamento estudante deve possuir renda familiar mensal entre 3 e 5 salários mínimos por pessoa, ter obtido acima de 450 pontos no Exame nacional de Educação (ENEM) e não ter zerado a redação.

O financiamento criado em 1999 durante o governo Fernando Henrique Cardoso, mas durante todo esse período houve várias mudanças no financiamento.

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação (MEC), instituído pela Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, que tem como objetivo conceder financiamento a estudantes em cursos superiores não gratuitos, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo MEC e ofertados por instituições de educação superior não gratuitas aderentes ao programa.

O que mudou no Fundo de Financiamento Estudantil em 2019

O novo FIES traz melhorias na gestão do fundo, dando sustentabilidade financeira ao programa a fim de garantir e viabilizar um acesso mais amplo ao ensino superior. Agora, dividido em duas modalidades, sendo, a primeira de juro zero para estudantes de renda mensal familiar de até três salários mínimos, a outra parte será financiada pela caixa econômica federal. A segunda parte é o P-fies, para estudantes de até cinco salários mínimos, este financiamento será feito por outras instituições bancarias, de acordo com a renda do estudante.

Qual a opinião dos estudantes que participaram do programa?

A estudante de jornalismo Weslenny Rosa de Jesus Oliveira, 24, relata como foi sua experiência com o financiamento. ‘‘Na época eu era só estudante, tinha acabado de sair do ensino médio e queria fazer uma faculdade, e aí eu não tinha condições de pagar, porque a faculdade, o curso que eu escolhi era bastante caro, era arquitetura, e eu sustentada pelos pais, só por minha mãe, ela não tinha condições de pagar, então eu optei pelo Fies que era a única maneira de pagar a faculdade e poder estudar tranquila (…), me arrependo de ter participado do financiamento, por conta dos juros e pelo longo período de parcelas”.

Foto: Flaviana Pereira

Existem opiniões controversas, como no caso da fisioterapeuta Jéssica Meireles, 25, que se formou com a ajuda do financiamento diz ter gostado do financiamento e indica. “Foi uma ótima experiência, não tive problemas. Eu recomendo sim”. Porém, a fisioterapeuta alerta. Tem que ser algo que queira muito e na área que gosta, porque conheço pessoas que começaram a fazer fisioterapia na minha turma e que abandonaram, e a dívida permanecer até o semestre cursado”.

Relato do estudante de jornalismo Cassio Renan,(23 anos) que, aderiu ao fies, na versão antiga:

Mesmo com todas as possibilidades que são oferecida pelo fies, Dados, indicam uma queda gradativa no programa desde 2014 até 2018.

Dados FIES (infográfico).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s